segunda-feira, 15 de junho de 2009

Pato Donald: 75 anos

Na última terça-feira, dia 9 de junho, um dos personagens mais populares de Walt Disney completou 75 anos de existência. O Pato Donald, com sua voz esquisita, uniforme de marinheiro e mau humor característico, estreou no curta metragem A Galinha Sabida (The Wise Little Hen) - que você confere clicando aqui, ou no Cine O&O, na barra à direita.

Vida e Obra

Pouca gente sabe, mas o nome completo do pato é Donald Fauntleroy Duck. Desde a sua estréia o pato nervosinho foi dublado nos EUA por Clarence Nash (foto), que trabalhou em mais de 100 desenhos animados, inclusive em outras línguas, a pedido de Walt. Nash emprestou sua voz a Donald até sua morte, em 1985. A partir dali, foi substituído por Tony Anselmo.

No Brasil, Donald passou por vários dubladores. Entre os mais lembrados estão Márcio Gianullo e Cláudio Galvan (no ar em Paraíso), que dubla o pato até hoje.

Em 1937, após estrelar diversos curtas ao lado dos melhores amigos Mickey e Pateta, Donald ganhou sua própria série animada, e junto com ela, sua eterna namorada. Margarida (Daisy) estreou como Donna Duck no curta Don Donald. Um ano depois surgiriam seus sobrinhos, Huguinho, Zezinho e Luisinho (Huey, Dewey, Louie), no episódio Os Sobrinhos do Donald. Na década de 1990, os personagens estrelaram, ao lado de Donald, uma série animada moderna, a TV Quack Pack.

Com o início da Segunda Guerra Mundial, os Estúdios Disney foram obrigados a apoiar os Estados Unidos, e para isso vários personagens, como o próprio Donald, protagonizaram curtas com propaganda anti-nazista. Um exemplo clássico é A Face do Füher, de 1942.

Ainda neste período, Donald participou de dois longas com temas dirigidos à América Latina, com o objetivo de atrair esses países à potência norte-americana: Alô Amigos (Saludos Amigos, 1943), que marcou a estreia do papagaio brasileiro Zé Carioca, e Você Já foi à Bahia? (The Three Caballeros, 1944), lançando o galinho mexicano Panchito.

Com o fim da guerra, Donald estrelou diversos curtas com temas mais amenos, muitas vezes sendo atormentado pelos esquilos Tico e Teco.

Donald nos Quadrinhos

O auge do pato nos quadrinhos aconteceu quando Carl Barks, um dos animadores da Disney, resolveu criar histórias protagonizadas por ele ao lado de seus sobrinhos. Desde 1942, com Donald Encontra o Ouro dos Piratas, até 1967, quando se aposentou, Barks criou diversos personagens, além da cidade de Patópolis. Com isso, ficou conhecido entre os fãs de quadrinhos Disney como o "Homem dos Patos".

Mais tarde, outros desenhistas ficaram conhecidos por suas obras, como é o caso de Don Rosa (criador da Saga do Tio Patinhas), herdeiro artístico de Barks, e Romano Scarpa, renomado artista italiano. Podemos também citar vários outros, como Marco Rota, Giorgio Cavazzano, Al Taliaferro...

Em 1969, foi criado na Itália, por Giovan Battista Carpi e Guido Martina o alter-ego de Donald, o Superpato (Paperinik).

No Brasil, Donald ganhou sua própria revista em julho de 1950. O Pato Donald, primeira revista da Editora Abril, continua sendo publicada até hoje, e já foi mensal, quinzenal e até semanal! Várias histórias foram publicadas aqui, entre os anos 60 e 90.

Um legítimo brasileiro

O portal Terra publicou um especial listando os 10 motivos que fazem de Donald um legítimo brasileiro, até mais que o Zé Carioca. Veja e compare:

1. Ele trabalha muito e está sempre devendo: Donald se mata para colocar o arroz e feijão no prato da família, mas chega ao final do mês sempre falta um pouquinho para comprar algo que ele realmente quer. Parece alguém que você conhece? Sem contar que está sempre devendo para alguém, especialmente ao seu tio.

2. Ele anda de carro velho e não troca por nada neste mundo: o velho 1313 pode enguiçar de vez em quando, mas está com o pato faz décadas e ele nem pensa em se livrar da charanga. Até mesmo quando se tornou o Superpato, preferiu colocar acessórios no calhambeque a sair por aí com um Aston Martin.

3. Ele tem primos que agem como cunhados: Peninha e Gastão são o próprio reflexo dos típicos irmãos de esposa. Um só aparece para filar a bóia, enquanto o outro fica se gabando de seu próprio sucesso e relembrando Donald de seu papel de fracassado.

4. Ele é explorado no trabalho: o famoso Tio Patinhas (cuja fortuna, em 2006, foi estimada pela Forbes - isso é sério - em 10,9 bilhões de dólares, perdendo para Montgomey Burns dos Simpsons e para "Daddy" Warbucks da pequena órfã Annie) sempre consegue um empreguinho para o pobre pato, mas com salários irrisórios como 0,05 centavos de pataca a hora ou o colocando em cargos esdrúxulos como arrancar as penas de preocupação ou polir as milhões de moedinhas na caixa-forte. E isso sem pagamento de hora extra.

5. Ele tem vizinhos irritantes: seguramente todo mundo que mora em prédio teve ou tem um Silva na vida. Aquele vizinho chato, que reclama de tudo, incomoda ao extremo e depois parte para a briga.

6. Ele cria o filho dos outros: Huguinho, Zezinho e Luisinho são filhos de sua irmã gêmea, Dumbella, que largou as pestes com ele e não mais apareceu. O brasileiro também é assim. Assume os problemas alheios como seus, não se importa com as conseqüências e parte para a luta. E é lógico que geralmente se dá mal.

7. Sua namorada o faz de gato e sapato: Margarida está com ele há 69 anos e, apesar do romance entre os dois, adora provocá-lo seja fazendo ciúmes com o Gastão, seja colocando-o para carregar os inúmeros pacotes de compras. E é óbvio que ela quer mudar o jeito dele de qualquer maneira. Assim, como a sua esposa faz com você.

8. Mesmo quando é especialista em algo, se dá mal: Donald já foi mestre-relojoeiro e destruiu os vidros de Patópolis. Também foi mestre-demolidor e pôs abaixo um asilo de multimilionários. Qualquer semelhança entre ele e a seleção brasileira de futebol em copas do mundo não é mera coincidência.

9. Ele quer uma vida pacata: o tio tenta de qualquer maneira mostrar ao sobrinho as vantagens e maravilhas de ser um empresário milionário de sucesso, mas o que Donald quer mesmo é apenas curtir uma tarde no parque tomando sorvete. Para que ter as preocupações e estresses de um ricaço? Sem contar que há sempre a possibilidade de se herdar algo ou ganhar na Mega Sena, não é mesmo?

10. Apesar de tudo isso, ele não desiste nunca: nenhuma adversidade tira o pato de seu rumo ou de conseguir o que quer. As coisas podem dar errado aqui e ele vai tentar algo novo lá. Mais ou menos como o brasileiro. Ou você acha que chegamos à posição de segundo povo mais otimista do mundo à toa?

.: Por essas e outras, Donald é sucesso há tantas décadas no Brasil e no mundo. Parabéns, Pato Donald! Essa foi a homenagem do Opinião & Opção ao pato mais querido do mundo!

3 comentários. Só estou esperando o seu...:

daniel abrao disse... [Responder]

Não li o texto sobre o personagem BRITTO, mas posso dizer que ele é o meu preferido da turma, entre todos eu sou PATO DONALD até morrer, a voz dele é hilária!!!

Anônimo disse... [Responder]

PARABENS PATO DONALD!

Atrazado mas é valido!
meu preferido da turma²

DucadorCH disse... [Responder]

Adoro a dublagem dele! E o Zé Carioca é um péssimo exemplo de como é o povo brasileiro!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...